Completando 10 anos em 2016, a Matias Brotas arte contemporânea se estabelece no cenário da arte contemporânea com vigor e comprometimento para fomentar a arte, incentivar a produção de jovens artistas e criar conexões entre críticos de arte, artistas, colecionadores, curadores e o público. Seu acervo é composto por artistas renomados no cenário nacional e internacional da arte contemporânea, como Manfredo de Souzanetto e José Bechara, além de investir em jovens e promissores talentos como Lara Felipe, Miro Soares, Raphael Bianco, Renata Egreja, Antonio Bokel e Mai-Britt Wolthers.

Faz parte do seu projeto curatorial exposições individuais e coletivas, possibilitando a circulação das obras de artistas consagrados, trazendo, ainda, o pensamento crítico de grandes curadores e críticos.

Entre as exposições coletivas relevantes da galeria citamos “A última Casa, a última paisagem” com curadoria de Agnaldo Farias. Entre as individuais contamos com artistas como Raphael Bianco, Paulo Vivacqua, José Bechara, Gabriela Machado e Renata Tassinari. Curadores do calibre de Waldir Barreto e Paulo Sérgio Duarte também firmaram suas assinaturas na galeria. A MBac lançou em 2013 o primeiro clube do colecionador de arte do Espírito Santo, que ruma à quarta edição, contribuindo para democratização e estimulo ao consumo de arte no Brasil.

A MBac consolida-se como expoente em arte contemporânea no Espirito Santo e a gradativa inserção no circuito de feiras visa ampliar a visibilidade dos artistas locais em âmbito nacional, bem como, promover intercâmbios, estabelecendo novas visões e possibilidades no mercado de arte.

Para a 6ª edição da ArtRio, a MBac selecionou 10 artistas para apresentarem sua produção mais recente.  Andrea Brown, Antonio BokelLara FelipeManfredo de SouzanettoMai-Britt WolthersRaphael BiancoRenata EgrejaShirley Paes LemeSuzana Queiroga e Vilar.

Andrea Brown é um dos grandes destaques do Stand. Além de fazer parte da #4edição do clube do colecionador da galeria, a artista apresenta as obras “Olho que vê, olho que sente / Mar” e “Olho que vê, olho que sente / Céu”.

Uma enorme escultura em aço carbono do artista Vilar, desestabiliza a escala do stand e reafirma as diversas possibilidades da arte, transformando a matéria inicialmente sólida em algo volátil.

Bokel, também selecionado, revela uma identidade artística questionadora e propositiva, com estéticas bem definidas. Em desamarro tipológico propõe experimentações, tornando fluído o trânsito entre a arte e a vida urbana.

Lara Felipe participou da ArtRio2015, pela MBac e foi uma das artistas selecionadas para a TRIO Bienal, com curadoria de Marcus Lontra. Seu trabalho explora o universo poético de memórias e afetividades, que remontam a histórias pessoais e de antepassados;

A Obra do mineiro Manfredo De Souzanetto se desenvolve como um jogo de virtualidade e concretude, onde muitas vezes a moldura ultrapassa o limite da pintura e o suporte se fragmenta, refletindo a busca de novas possibilidades. Usando pigmentos de terra, óxidos de ferro, resina acrílica, juta e madeira, constrói composições abstratas e geométricas de grande impacto visual; são obras em que a pintura é um dos elementos constituintes e que procuram atuar no espaço real, sem o filtro da representação, buscando a tridimensionalidade.

Mai-Britt, dinamarquesa residente no Brasil desde 1986, imprime em suas obras o encantamento pelas florestas, em interface entre paisagens, o figurativo e abstrato, em formas e cores capturadas em loco; Raphael Bianco transita entre o sensível e o racional, uma espécie de zona cinzenta, onde habitam formas, ritmos, temperaturas, dúvidas, embates e expectativas;

Renata Egreja relativiza a origem, suplantando a perspectiva geográfica, indo à história da arte e da vida. Apropria-se de signos e imagens iconográficas em obras com potência e vivacidade.

Completando o grupo de artistas, Shirley Paes Leme, na série “Chuva de letras” forma palavras, encontros. Discute a perenidade da vida, sobre os questionamentos, o agora, os instantes, os vazios que a gente tenta preencher.

A MBac também lança na ArtRio 2016, no dia 28 de setembro, a 4ª edição do Clube do Colecionador, que ganha edição especial em comemoração aos 10 anos da galeria. O crítico e curador de arte Agnaldo Farias é o responsável pela curadoria desta edição.

Imperdível!