Paulo Vivacqua

Para Ler: Dica de livro por Paulo Vivacqua

‘Marcel Duchamp – The Afternoon Interviews’, Calvin Tomkins.
“Duchamp é o artista que, no início do século XX, formula uma nova relação crítica entre artista, obra e sociedade, como se vê em seu trabalho ao longo de sua trajetória. Nessa entrevista de 1971 a Calvin Tomkins, The Afternoon Interviews, acho interessante quando ele coloca que para a o trabalho acontecer ele tem que necessariamente, a despeito da intenção do artista, tocar o outro que percebe (onlooker) a ponto deste se manifestar. Sem essa faísca o trabalho não acontece, entre tantas outras observações tão válidas para nosso tempo e seu senso de humor tão gentil quanto mordaz”, explica Paulo.

  • José Bechara| Ana Holck | Paulo Vivacqua | Pequenos Formatos: Dimensão e Escala | 10 de dezembro a 29 de janeiro | Coletivo Cidade Jacarandá | Barra da Tijuca | Rio de Janeiro
    Permalink Gallery

    José Bechara| Ana Holck | Paulo Vivacqua | Pequenos Formatos: Dimensão e Escala | 10 de dezembro a 29 de janeiro | Coletivo Cidade Jacarandá | Barra da Tijuca | Rio de Janeiro

José Bechara| Ana Holck | Paulo Vivacqua | Pequenos Formatos: Dimensão e Escala | 10 de dezembro a 29 de janeiro | Coletivo Cidade Jacarandá | Barra da Tijuca | Rio de Janeiro

Entre dezembro e janeiro, quem passar pelo Rio de Janeiro, poderá conferir na Cidade das Artes, Barra da Tijuca, a exposição coletiva ‘Cidade Jacarandá Pequenos Formatos: Dimensão e Escala’. A mostra, que fica em cartaz até 29 de janeiro, é resultado da parceria do complexo cultural com a ArtRio Carioca, versão compacta da já consolidada feira internacional ArtRio, com o objetivo de fomentar o crescimento do mercado de artes e a formação de novos colecionadores na Barra da Tijuca.

José Bechara, Ana Holck e Paulo Vivacqua são alguns dos artistas selecionados para expor ao lado de outros grandes nomes como Carlos Vergara, Daniel Senise, Antonio Dias, Maria Nepomuceno e Waltércio Caldas, entre outros. A exposição reúne um total de 27 obras em tamanho reduzido das grandes criações dos artistas e lança um novo olhar, mais sensível, sobre cada trabalho.

  • Antonio Bokel | Paulo Vivacqua | Manfredo de Souzanetto | ‘Monumental – Arte na Marina da Glória’ | até 18 de dezembro | Rio de Janeiro - RJ
    Permalink Gallery

    Antonio Bokel | Paulo Vivacqua | Manfredo de Souzanetto | ‘Monumental – Arte na Marina da Glória’ | até 18 de dezembro | Rio de Janeiro – RJ

Antonio Bokel | Paulo Vivacqua | Manfredo de Souzanetto | ‘Monumental – Arte na Marina da Glória’ | até 18 de dezembro | Rio de Janeiro – RJ

Arte a céu aberto na Marina da Glória

Um dos mais belos cartões postais do Rio de Janeiro se transformou em um grande museu aberto com obras modernas e contemporâneas. É a mostra ‘Monumental – Arte na Marina da Glória’ que tem curadoria de Marc Pottier e fica aberta para visitação até 18 de dezembro. A megaexposição reúne trabalhos de grandes dimensões de 19 artistas de algumas das principais galerias brasileiras. A Matias Brotas é uma das galerias presentes representando obras de três artistas: Antonio Bokel, Paulo Vivacqua e Manfredo de Souzanetto.

A exposição traz uma variedade de expressões artísticas como instalações, esculturas, grafites, experiências interativas, performances e obras de som – todas estabelecendo uma suave interação com a arquitetura e o local. O artista Paulo Vivacqua apresenta a instalação sonora “Floresta imaginária’’ (2016), com oito canais de áudio, instalados no estacionamento. Eles descrevem a paisagem sonora de uma floresta, evocando, nas palavras do artista, um estado de apreensão permanente, “numa atmosfera onde transitam e cruzam cantos, pássaros e visagens”.


Depois de ser exposta em Vitória, na individual ‘Nada além das palavras’, na Matias Brotas arte contemporânea’, a obra ‘Babel’, uma torre de blocos de cimento com mãos em bronze saindo dos blocos, do artista carioca Antonio Bokel, também foi selecionada pelo curador Marc Pottier para fazer parte dessa megaexposição.


A obra ‘Pedras’, do artista Manfredo de Souzanetto é outra instalação no local e consiste em 42 cópias de uma pedra natural sendo realizadas 21 em porcelana e 21 em bronze, que estabelece um jogo entre natureza e cultura, a diversidade dos materiais empregados e a divergência entre leve e pesado.

Além de Antonio Bokel, Paulo Vivacqua e Manfredo de Souzanetto, quem passar por lá vai conferir também obras dos artistas Almandrade, Amilcar de Castro, […]