Rosana Paste

  • João Wesley de Souza | Revista GAMA 11 | Estudos Artísticos | Faculdade de Belas-Artes | Universidade de Lisboa | Portugal
    Permalink Gallery

    João Wesley de Souza | Revista GAMA 11 | Estudos Artísticos | Faculdade de Belas-Artes | Universidade de Lisboa | Portugal

João Wesley de Souza | Revista GAMA 11 | Estudos Artísticos | Faculdade de Belas-Artes | Universidade de Lisboa | Portugal

Uma análise sobre obras da artista Rosana Paste desenvolvida nos últimos 20 anos. É o que fala o artigo ‘O corpo no transito entre a presença e ausência em Rosana Paste’, do artista João Wesley de Souza, destaque na Revista GAMA 11 deste ano, publicação semestral da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Portugal.

Veja parte do texto publicado:

O corpo no trânsito entre a presença e ausência em Rosana Paste
Como apresentar toda extensão imaginativa que surgiria como consequência de um olhar sobre três imagens de Rosana Paste? Como apontar uma inclinação poética que emerge de uma leitura destas obras, (Figuras 1, 2 e 3) selecionadas de um escopo de duas décadas de produção de configurações espaciais? No sentido de saciar estes questionamentos iniciais e de permitir a aparição de outros entendimentos que surgirão no decorrer deste esforço monográfico, é que vamos construir à narrativa que se segue. Para tal proposição vamos desenvolver três tópicos que, em tese, na sua totalidade, nos permitiria investigar as consequências imaginativas e conceituais identificadas no jogo entre um corpo presente e sua ausência.

O corpo ausente.
Este primeiro tópico decorre sobre o sentido de ausência do corpo suscitado por uma presença visual. Tal possibilidade interpretativa seria suportada pela evidência desta pulsão imaginativa. A figura um, que fora sujeitada a seleção previamente realizada pelo presente autor, seria o referente visual sobre o qual se apoiaria esta possibilidade de abordagem e de entendimento.

O jogo entre o que aqui está, e o que resta do que aqui esteve.
Neste segundo tópico, usando outra imagem, a figura dois, extraída de outro recorte temporal do processo artístico de Rosana Paste, estudaríamos as possibilidades discursivas sobre o corpo, seus moldes e suas presenças materiais com suas […]

  • Rosana Paste | entre camadas | Emparede Contemporânea | Santo Antônio – Vitória | 09.10.17 a 10.12.17 | Matias Brotas
    Permalink Gallery

    Rosana Paste | entre camadas | Emparede Contemporânea | Santo Antônio – Vitória | 09.10.17 a 10.12.17

Rosana Paste | entre camadas | Emparede Contemporânea | Santo Antônio – Vitória | 09.10.17 a 10.12.17

Rosana Paste abre no dia 09 de outubro a individual ‘entre camadas’ na Emparede Contemporânea, em Santo Antônio Vitória. A exposição faz parte do Projeto “Entre Eu, Tu e Elas” – contemplado pela EMPAREDE Contemporânea no Edital 016/2016 da SECULT-ES.

O Projeto “Entre Eu, Tu e Elas”, com curadoria de Yvana Beichior, realizado exclusivamente por mulheres (06 artistas: Mara Perpétua, Rosana Paste, Kika, Cida Ramaldes, Natalie Mirêdia e Eliana Kuster), em valorização do potencial feminino, propõe a reflexão, o diálogo e a experiência estética, através de variadas linguagens artísticas.

Confira texto na íntegra da artista Rosana Paste sobre sua individual:
o tempo perguntou pro  tempo quanto tempo o tempo tem. o tempo respondeu pro tempo, que o tempo tem tanto tempo,  que o tempo não sabe quanto tempo o tempo tem. parlendei enquanto criança e continuo panlendando. o tempo vem se constituindo como matéria prima dos meus trabalhos a alguns anos, e talvez tenha sido desde 1987 o mote do que faço. como sou artista visual, muitas relações entre imagem e texto acontecem com o passar do tempo…
tive a sorte grande de aprofundar em alguns conceitos filosóficos de Deleuze e Guattari com meu mestre Cesar Cola no doutoramento recém concluído. e eis que a parlenda do tempo é verdadeira: para esses filósofos o tempo não é linear, mas camadas que se sobrepõem e dessa forma vivemos num plano de imanência, onde os acontecimentos vividos são presente e passado ao mesmo tempo. meu eu criança está em mim e  atualizo a cada momento que vivo, por ex. eu sou camadas de tempos que hoje tem 50 anos. O tempo aqui não é de Cronos e sim de Aion que segundo  Deleuze e Guatarri (2011, p. 50, 51)
 
Mesmo quando os […]

Para Ler: Dica de livro por Rosana Paste

“Lygia Clark”, editora Fundació Antoni Tàpies, Barcelona

Sou pesquisadora de “escritos de artistas”. Aquele escrito sem a pretensão de explicar seu trabalho de arte. Aquele texto que mistura, transversaliza a vida e a produção artística.

LYGIA CLARK produzido pela Fundació Antoni Tàpies é tão generoso que traz como prefácio alguns textos de críticos e historiadores, que sugiro que leiam somente depois de ver e ler as mais de 200 páginas de textos e dos trabalhos de Lygia. Seus “escritos” são cartografias onde sua vida e seu trabalho artístico estão juntos e misturados.

Tomei consciência de que na medida em que quase todos os artistas hoje se vomitam a si mesmos num processo de grande extroversão, eu, solitária, engulo cada vez mais num processo de introversão, para depois fazer a ovulação que é miseravelmente dramática, um ovo de cada vez. Depois é o engolir novamente, introverter-se, até quase a loucura para botar um único ovo que nada tem de invenção, mas sim de gorado – loucura? Não sei. Só sei que é minha maneira de me amar-rar ao mundo, ser fecundada e ovular (LYGIA…..,1997, p.249).

Lygia nos relata seu processo criativo com uma fala comum, fazendo analogia ao modo de produção como o ciclo menstrual da mulher. Seu território se potencializa com o outro, seu plano de imanência é perceber como o outro rege seus objetos relacionais e, a partir daí, cria novas proposições artísticas.

Dispara dispositivos com seus objetos, colhe as experiências dos participantes como substratos para novas proposições.

Rosana Paste recebe homenagem no Sesc Glória

A artista capixaba Rosana Paste será homenageada na exposição ‘Vitória em Arte’ que será aberta no dia 18 de agosto, no Centro Cultural Sesc Glória.

Em sua 11ª edição, o projeto idealizado pelo Sindicato dos Artistas Plásticos Profissionais do Espírito Santo – Sindiappes, entra em um novo ciclo. Com curadoria de Clara Sampaio, a exposição incentiva a integração da comunidade artística local e valoriza a cultura a partir da homenagem a dois capixabas: o artesão Antônio Rosa e a artista Rosana Paste.

Falando em Rosana Paste, a artista realizou em 2014 a individual ‘eu museu rosana paste’ que foi sucesso de público e crítica na Galeria Matias Brotas Arte Contemporânea. Logo em seguida foi convidada a participar da 2ª edição do Clube do Colecionador da Matias Brotas ao lado das artistas Shirley Paes Leme, Renata Egreja e Suzana Queiroga.

Rosana é performer, escultora, fotógrafa, videomaker. Formada em artes plásticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atua na UFES como professora auxiliar de escultura e vídeo, desde 1994. Em 1997, foi ganhadora do prêmio de melhor ficção da mostra Vitória Cine Vídeo. No ano seguinte, recebeu o prêmio de melhor vídeo experimental pela mesma mostra.

Edição #02 do Clube do Colecionador 

O Clube do Colecionador incentiva os apreciadores de arte contemporânea a adentrar o mundo do colecionismo e ampliar o acervo particular daqueles que já colecionam.

Assim como acontece em grandes centros como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, Vitória também possui seu Clube do Colecionador de Arte, que este ano parte para sua 3ª edição. A iniciativa inédita no Estado é da Galeria Matias Brotas Arte Contemporânea.

Segundo as galeristas Sandra Matias e Lara Brotas, a criação do clube de colecionadores tem o objetivo de aproximar o público da arte contemporânea, incentivar amantes das artes a ter obras em variados suportes como pintura, aquarela, desenho, fotografia, escultura em seus acervos e apurar o olhar de pessoas interessadas a começar uma coleção.  “Além disso, o Clube desmitifica aquela ideia de que arte é inacessível. Ao contrário, as facilidades para adquirir uma obra de arte são cada vez maiores e qualquer pessoa pode começar uma coleção”, explica Lara Brotas

Clube do Colecionador
O Clube do Colecionador é lançado anualmente pela Galeria Matias Brotas. A cada edição um grupo de quatro artistas selecionados por um curador convidado, produz obras exclusivas para o clube.

A adesão ao clube confere aos associados, além da oportunidade de adquirir obras por valores e condições atrativos, um rol de benefícios através do cartão fidelidade: palestras com curadores e artistas, descontos nas próximas edições e em estabelecimentos parceiros, convites para vernissages e exposições a fim de aproximar ainda mais o colecionador da arte contemporânea.

A 1ª edição contou com obras inéditas dos artistas Fernando Augusto (aquarelas), Manfredo de Souzanetto (serigrafia), Nenna (objeto/escultura) e Renan Cepeda (fotografia). Já a segunda edição de 2015, que esgotou suas cotas logo após o lançamento,reuniu obras das renomadas artistas Rosana Paste (escultura), Shirley Paes Leme (serigrafia), […]