MBac encerrou 2015 com chave de ouro e se prepara para comemorar os 10 anos de galeria em 2016.

Sem dúvidas, o ano de 2015 foi promissor para a Matias Brotas Arte Contemporânea. Prestes a completar 10 anos ainda no primeiro semestre de 2016, a galeria encerrou 2015 contabilizando grandes conquistas como a participação na feira internacional ArtRio Fair, dando visibilidade nacional aos seus artistas representados, bem como à sua ideia inovadora no Espírito Santo, o Clube do Colecionador, que teve sua 3ª edição lançada a nível nacional dentro da feira.
Além de diversos artistas representados pela galeria como Suzana Queiroza, Renata Egreja, Shirley Paes Leme, Raphael Bianco, Rosana Paste, Lara Felipe, Julio Tigre, Vanderlei Lopes, José Bechara, novos artistas entraram em 2015 para agregar ao time de peso da Matias Brotas como o carioca Antonio Bokel, a artista dinamarquesa Mai-Britt Wolthers e a carioca Ana Holck. Ao longo desses quase 10 anos, a Matias Brotas Arte Contemporânea acumula em sua trajetória mais de 30 exposições.

Depois de atuar um ano como escritório de arte, a galeria foi inaugurada em 2006. A exposição de abertura foi a individual “Ouro Negro”, de Nuno Ramos. Localizada em um edifício de 300m2, projetado pelo arquiteto Kleber Frizzera, a Matias Brotas foi planejada como um espaço para se apreciar arte. Além de muitas entradas de luz natural, o espaço também tem salas para exibição de vídeos, palestras e workshops e uma reserva técnica climatizada para preservação do acervo.

Além de representar diversos artistas da arte contemporânea, curadores como Agnaldo Farias, Waldir Barreto, Thiago Mesquita e Paulo Sérgio Duarte também firmaram suas assinaturas em exposições na galeria.
Segundo as diretoras, Sandra Matias e Lara Brotas, o mercado de artes visuais no ES está em ascensão. “Percebemos que o perfil do comprador mudou e está mais jovem. Isso devido, em grande parte, às facilidades de acesso à informação e ainda ao crescente potencial econômico do Estado. A busca por informação especializada vem se mostrando efetiva para a formação de novos colecionadores. Nosso Clube do Colecionador, por exemplo, vem cumprindo seu papel em formar colecionadores e aproximar o publico da produção nacional”.