Individual especial de Antônio Bokel na galeria carioca Mercedes Viegas marca nova fase do artista carioca.

La Nature d’Or. É esse o nome da primeira exposição individual do artista carioca Antônio Bokel na renomada galeria Mercedes Viegas, na Gávea, Rio de Janeiro. A exposição, que teve fim em final de agosto, apresentou criações de diferentes suportes do artista como pinturas, fotografias, gravuras, esculturas e um vídeo, e marca uma nova fase do artista.

Bokel, indicado ao PIPA 2015 e com obras nas maiores coleções brasileiras como a de  Gilberto Chateubriand , BGA Investimentos e no acervo do MAM, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, apesar de um artista da nova geração, comemorou 10 anos de carreira no último ano, e a partir desta exposição individual apresentou ao público uma nova fase do seu trabalho.

Segundo o curador de sua individual, Mario Gioia, Bokel elege novos vetores na produção pictórica – esta nunca pura, em constante elo com o desenho, o tridimensional, a colagem e a gravura. “Neste momento, Antônio persiste na lida diária de experimentações variadas e investe na madeira como suporte para as pinturas, em que a busca por diferentes texturas fica clara. Figuras geométricas fazem o contraponto com as pinceladas mais gestuais e expressivas e, em alguns casos, a madeira aparente revela o que há por trás das camadas de tinta. As esculturas são trabalhadas em materiais alternativos, além do bronze e também da madeira”, explica.

Outra novidade desta nova fase do artista são as fotos registradas a partir de celular e tratadas com filtro do Instagram. A exposição ‘La Natire d’Or’ retratou a verdade do artista e sua essência, “essa pureza que perdemos com as adversidades da vida, mas que todos nós temos nas camadas mais internas, por trás de todas as máscaras e armaduras”, garante o próprio Antônio.

Neste momento o artista também investe na madeira como suporte para muitas pinturas, em que a busca por diferentes texturas e superfícies. Figuras geométricas fazem o contraponto com as pinceladas mais gestuais e expressivas e, em alguns casos, a madeira aparente revela o que há por trás das camadas de tinta. As esculturas são trabalhadas em materiais alternativos, bronze e madeira.