José Bechara, Antonio Bokel, Celina Portella, Julio Tigre, Suzana Queiroga, Raphael Bianco, Shirley Paes Leme, Mai-Britt Wolthers, Manfredo de Souzanetto, são alguns dos artistas com obras selecionadas pela Matias Brotas arte contemporânea para a CasaCor ES, que acontece no Porto de Vitória. 
Suzana Queiroga expõe a instalação “Cidades-Nuvem”, feita exclusivamente para o ambiente “Casa Galeria”, das arquitetas Juliana Vervloet do Amaral e Roberta Toledo. Pairando no ar, a obra flutua como uma grande água viva, ora se camuflando com o fundo branco, ora se distinguindo do fundo azul, remetendo ao infinito.

Outra presença marcante neste mesmo ambiente é a vídeo instalação “Movimento²”, de Celina Portella, artista que este ano foi indicada pela segunda vez ao Prêmio Pipa. A obra, composta por um conjunto de 5 vídeo-objetos, traz mecanismos que movem telas de TV em sincronia com suas imagens. Na concepção da artista “a imagem do corpo aparece contida no quadro da tela, se relacionando com seus limites como se fossem limites reais do espaço em que se insere”. O projeto Movimento² foi desenvolvido na residência LABMIS 2010, no Museu da Imagem e do Som em São Paulo e remontado em 2014 através do I Programa de Fomento à Cultura Carioca em Artes Visuais. Na “Casa Galeria”, o público poderá conferir os “vídeos-objetos” 1, 2 e 3, nos quais as telas são fixas e a relação com o espaço se difere pela variação das dimensões do corpo contido no frame ideográfico.

Também é possível apreciar neste ambiente, a escultura “Descanso da sala” de José Spaniol, uma cadeira em madeira (400cm x 40cm x 45cm) que tem como características a duplicação, verticalidade e elevação, como se ganhasse vida própria. “Como numa revolta contra o mundo habitual que vemos todos os dias”, descreve o crítico de arte Agnaldo Farias.

Um quadro da série Luzes, de Raphael Bianco, único disponível, também pode ser apreciado. Ele demonstra o interesse do artista por pesquisas que buscam provocar reflexões a partir de desafios propostos ao olhar. Na obra, o olho encontra imagens de paisagens desfocadas, eventualmente sobrepostas por lâminas reflexivas e deslizantes. Obras de Mai-BrittWolthers, José Bechara, Andrea Brown, Shirley Paes Leme, Vilar, Lara Felipe, Rosana Paste e outros, completam o ambiente.

No “Casa Empresa”, de Kassio Fontoura e Marcela Grasselli, há uma única parede composta com 21 gravuras inéditas do artista Antonio Bokel, série batizada de São Paulo, uma homenagem a temporada que o artista passou neste ano na cidade. São monotipias em litografia, sendo que uma não é igual a outra. Nesta casa, ainda há em destaque uma fotografia da série “Here, There and In-Between – Alemanha” de Miro Soares, dois trabalhos de Andréa Brown que exploram diferentes materiais e suportes, como madeira, ferro, cerâmica fotografia e pintura em constante trânsito de materialidades e diálogos entre arte e arquitetura. O espaço também expõe obras de Lara Felipe, Suzana Queiroga, José Spaniol, Orlando da Rosa Farya e outros artistas. 

Diferentes suportes artísticos como a obra “Vão os meus passos de vida” de Shirley Paes Leme com a técnica água de mangue sobre tela, uma tela de Paulo Whitaker, fotografias de Orlando da Rosa Farya e trabalhos de Júlio Tigre e Suzana Queiroga compõem o ambiente de Cintia Chieppe e Marcia Paolielo. 
No ambiente de Sergio Caus, destaque para a obra de Lincoln Dias, com o quadro da série “Branca”, de 2017 e para as fotografias do artista capixaba Orlando da Rosa Faryam, assim como para a escultura de Manfredo de Souzanetto.

O “Loft Ipanema”, de Tamara Raizer, traz uma seleção de trabalhos de Lara Felipe, com objetos produzidos em diferentes momentos da carreira da artista, que introduzem uma poética de memórias e afetos. O Loft também traz uma composição de gravuras em metal de Mai-Britt Wolthers e pinturas de Renata Egreja, Raphael Bianco e Suzana Queiroga.

André Andrade é um novo artista do portfólio da Matias Brotas que apresenta a obra “Núbia e Luiz” no ambiente da arquiteta Letícia Finamore. Uma enorme pintura de José Bechara é destaque logo na entrada, se comunicando com a escultura “mesa” da artista Rosana Paste. Outra obra em evidência é “o peso exato dessa leveza” da artista Lara Felipe. Essa obra foi selecionada pelo curador Marcus Lontra e fez parte da Trio Bienal em 2016.