‘O corpo cinemático’ – Steven Shaviro – Ed. Paulus, 2015

O corpo cinemático, originalmente publicado em 1993, é uma das obras inaugurais de toda uma linhagem de estudos entre o cinema e o sensório. Ao se voltar para as dimensões perceptiva e afetiva que atravessam o ato de se assistir a um filme, Shaviro propunha um novo caminho para se pensar a espectatorialidade, para além dos moldes lacanianos, semióticos e culturológicos que haviam dominado boa parte das teorias do cinema nos anos 70 e 80.

O próprio conceito de “corpo cinemático” pode ser lido como uma tradução, dentro da experiência fílmica, daquilo que Deleuze e Guattari conceberam como o “Corpo sem Órgãos”. Publicado pela primeira vez em língua portuguesa, este estudo pioneiro dedica capítulos a cineastas tão distintos quanto Robert Bresson, Fassbinder, Warhol, George Romero e Jerry Lewis – sempre buscando entender as diversas formas como o corpo do espectador é convocado (inclusive fisicamente), ao se assistir a um filme, interagindo não somente com os corpos filmados pela câmera, mas também com o próprio filme, aqui também concebido como um corpo.

Além disso, o livro atravessa outras questões, como o pós-moderno, a política dos corpos, a construção da masculinidade e a estética do masoquismo.