A Galeria Matias Brotas arte contemporânea, em parceria com a Funarte, recebe a instalação fotográfica “Cidades Censuradas” do artista mineiro Rodrigo Campanella. Com este projeto, premiado na 8ª Rede Nacional Funarte Artes Visuais, Rodrigo busca uma reflexão sobre a mudança do panorama urbano que ocorre em boa parte das metrópoles brasileiras, estabelecendo um ambiente de medo constante.

Cada imagem exposta nesta mostra é apresentada como uma pequena cela, estável e quadrada, onde a paisagem da cidade é aprisionada. Seja na cena da mudança que rasga o horizonte ou no flagrante do medo consolidado em elementos de segurança mediando o contato com a rua, aparece como censura à visão completa da cidade.

Essa estratégia de exibir as fotos, mas criar obstáculos ao público, através de uma aproximação apenas por binóculos é a reflexão que Rodrigo Campanella levanta com este trabalho: a construção de um ambiente urbano, que cada vez mais pede distância, chegando ao ponto em que alguns locais da cidade podem ser vistos somente através de imagens, do lado de fora de muros, grades, vidros e câmeras, ou através de lentes de ampliação para alcançar o que já não pode ser percorrido e tocado.

Rodrigo Campanella

A temática urbana já é uma constante nos trabalhos e pesquisas do artista. Em projeto aprovado na Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte em 2008, Rodrigo registrou a mudança urbana em Belo Horizonte através de imagens intimistas de demolições, construções e grandes reformas, junto de outros fotógrafos dentro da série “Horizonte em Construção”, resultando em 9 exposições na cidade entre 2009 e 2011. Atualmente trabalha com outras séries fotográficas e instalações, centrado na temática da fotografia urbana e nas transformações das cidades brasileiras neste início de século. Cursando o mestrado em Comunicação Social na Universidade Federal de Minas Gerais, estuda a construção imagética das cidades e do imaginário urbano em jogos digitais. Também atua como fotógrafo e diretor de vídeos no campo publicitário, com trabalho voltado para comunidades de agricultura familiar, agroecologia e comércio justo. No rádio, é crítico de literatura e narrativas gráficas na Rádio Inconfidência FM, de Belo Horizonte, tendo atuado com crítica de cinema e literatura no site Pílula Pop e na rádio Bandnews FM.