Depois de nove anos sem expor, a artista plástica capixaba Rosana Paste retorna com uma exposição individual chamada “eumuseu rosana paste”. A abertura da mostra será no próximo dia 8 de maio, às 19h30, na Galeria Matias Brotas. A artista também lança seu livro “eumuseu rosana paste”.

Referências recorrentes nos trabalhos da artista plástica Rosana Paste são esculturas em escala arquitetônica ou em forma de múltiplos, e agora num recorte de sua produção, evidencia o corpo como parte de seu projeto artístico. Na mostra “eumuseu rosana paste”, essas referências tornam-se ainda mais evidentes. A exposição reúne esculturas, fotografias, desenhos, plotagens, adesivos, com foco no desenvolvimento da proposição artística Geografia Genética, onde entra o corpo como obra, a história e a memória, que ela revela também através de fotos comparativas de três gerações de sua família: ela, Dona Jove (mãe), Daniel (filho).

“Em 2002 iniciei o projeto de Geografia Genética, que consiste em fotografar três gerações de uma mesma família sempre de amigos, ou seja, avô-pai-neto ou avó-mãe-neta. As fotos são das mesmas partes dos corpos onde a pele fica em evidência, uma mostragem da ação do tempo naquele espaço/corpo e naquele corpo/tempo. Naquele ano as fotos foram projetadas sobre uma escultura de pele de coelho e ferro. Considerei desde então, que o trabalho exposto estava iniciando, que o processo de pensar e construí-lo deveria ser aprofundado, multiplicado, transformado”, explica.

Na performance “artista de corpo presente”, Rosana como proponente convida Taiza Ammar, Lobo Pasolini e Jocimar Nalesso, o coletivo que desenvolveu o trabalho do livro: “Rosana nos esperava em casa como uma sacerdotisa pagã que prepara um ritual, um ritual onde o corpo da artista, peça central de sua obra, seria ofertado como material para ser manuseado, manipulado e re-territorializado como parte de uma performance registrada para esse livro”, conta Lobo Pasolini.

A artista coloca seu corpo como eixo principal do trabalho em processo, disponibilizando somente tesouras e placas de chumbo para serem moldadas. O registro fotográfico do processo está no livro “eumuseu rosana paste”, que será lançado na noite do vernissage.

Outra referência importante na obra da artista é a utilização de múltiplos. Nesta mostra os múltiplos aparecem em sete delicadas e instigantes esculturas de cadeiras em aço inox e veludo com o titulo “entre rainhas”. Sete livros de chumbo, com pele de coelho e encadernados com fio de prata, também são múltiplos na exposição, mesmo o chumbo sendo um material pesado, é maleável, podendo suas páginas, ser folheadas. Para a artista, os livros são “meio que diários, recortes de memórias, lugares onde o pensamento se permite….”.

O “eumuseu”, segundo a visão da artista é um conceito ampliado de museu, pois todos nós carregamos por gerações nossas memórias, objetos que remontam nossas histórias, afetos, e talvez nossa maior peça de museu seja nossa genética, uma vez que ela nos é dada. A Geografia Genética é uma proposição artística, mas também uma provocação artística. Quem quiser pode construir a sua.

A exposição reúne trabalhos feitos a partir de uma gama de materiais que vem marcando a trajetória da artista e dando corpo à suas idéias filosóficas, incluindo chumbo, pele de coelho, aço inox, o veludo e mármore sintético. O projeto inicia em 2002, mas as esculturas e o livro foram realizados entre 2013 e 2014.

Além das esculturas, o livro apresenta desenhos e pensamentos da artista, textos de Lobo Pasolini que ganham vida própria, pois não estão ali para ser literal com a imagem, mas sim para agregar mais informações à complexidade do projeto. Para Rosana, o fotógrafo teria que ser um cúmplice da artista para captar flagrantes silenciosos, e assim o fez Jocimar Nalesso, sem maquiagem, mostrando uma realidade processual que parece mudar a toda hora, a cada página virada. Taiza Ammar como designer gráfica teve a sensibilidade para cortar e montar os registros fotográficos e os textos, criando novos territórios e multiplicidades interpretativas dos trabalhos.

Tudo isso e muito mais o fruidor de arte poderá ver e participar. A artista plástica prepara para a exposição um espaço do afeto, onde vai mostrar uma peça de vestuário antiga, de 1954, e que em 2011 ela reterritorializou em chumbo com o título “Calcinha para noite de núpcias”. A exposição e o livro “eumuseu rosana paste” traz investigações contemporâneas de arte, onde o pensamento e a prática andam juntas na construção do trabalho.

“O EUMUSEU É A VIDA
COMO UM CANTEIRO DE OBRAS
ESCULPIDAS PELO TEMPO. DoNA
ROSANA É SEU MATERIAL E FIO
CONDUTOR. NELA OS CÓDIGOS
DA GEOGRAFIA GENÉTICA SE
CRUZAM E SE FECUNDAM”.
Lobo Pasolini

Texto Crítico: Geografia genética e o Eu na arte de Rosana Paste - Lobo Pasolini
Foi em uma tarde de sábado, em frente ao mar da Praia da Costa no outono de 2013, que meu contato com o projeto eumuseu, na época ainda sem nome, começou. O convite partiu da artista plástica Rosana Paste, cuja carreira nas artes iniciou exatamente no mesmo local que a minha: nos palcos, fazendo performance art com o grupo Éden Dionisíaco do Brasil nos últimos anos da década de 80. Em torno de uma garrafa de vinho, Rosana me disse que começava a preparar sua exposição solo, eumuseu Rosana Paste, que abre no dia 08 de maio na Galeria Matias Brotas em Vitória. Naquele dia, ela me convidou para colaborar com um livro que faria parte do projeto. O sim foi automático e eu saí do encontro, ou melhor, (re)encontro, cheio de idéias e entusiasmo, sentindo o frisson da possibilidade criativa fazendo meu DNA de artista zunir.

A exposição marca o retorno de rosana ao circuito expositivo desde a sua última individual, Entre mim e você, que aconteceu em 2005, na Galeria Virgínia Tamanini em Vitória. eumuseu Rosana Paste reúne um conjunto de novos trabalhos que inclui esculturas, fotografias, objetos e plotagens realizados entre 2013 e 2014. Também inclui trabalhos de períodos anteriores que dialogam com a produção recente, remontando à década de 1980, 1990 e 2000. Os trabalhos são feitos a partir de uma gama de materiais que vem marcando a trajetória da artista e dando corpo à suas idéias filosóficas, incluindo chumbo, pele de coelho, aço inox, tecido veludo e mármore sintético.

Trata-se de um conjunto heterogêneo e o livro de certa forma funciona como a dobradiça conceitual da exposição. Junto com Taiza Ammar e Jocimar Nalesso, começamos o trabalho no livro. Nossa primeira ação como coletivo foi vasculhar o acervo de fotos e trabalhos de rosana em uma espécie de expedição arqueológica em que ela, o agente aglutinador, exerceu a dupla função de pesquisadora e pesquisado. Esse é o modus operandi da ‘geografia genética’ como metodologia de trabalho artístico. Na trajetória da artista, o dado biográfico e o seu corpo são materiais centrais de sua criação e pensamento.

Foi a partir desse conceito que parte do trabalho foi sendo desenvolvida, através da re-territorialização de materiais prévios, processo pelo qual eles são elevados do estado-objeto para o estado-objeto de arte. Esse foi o caso, por exemplo, de uma calcinha de noite de núpcias que foi re-significada com um gesto artístico para a exposição. Ela está entre as outras peças expostas, que incluem escultura de uma cadeira em escala arquitetônica (“DoNA Rosana”) e uma série de múltiplos, referencia importante na produção da artista, em forma de um conjunto de cadeiras pequenas (“Entre rainhas”). Outros exemplos de múltiplos têm a forma de sete livros de chumbo, feitos com pele de coelho e encadernados com fio de prata. O chumbo é escolhido por sua resistência e maleabilidade, permitindo que as páginas dos livros possam ser folheadas. Há também esculturas dos pés da artista, mãe e filho (“O que pode um corpo”), uma seqüência genealógica que aparece também em um trabalho de fotos de outras partes dos mesmos corpos. Uma caixa de acrílico com três lanças de metal recebeu o nome de “Paixões alegres”, em referencia ao filósofo Spinoza, uma influencia marcante na artista. Há ainda a sala dos afetos com objetos pessoais museificados para a exposição, entre outros trabalhos.

Reverberando criativamente desde sua gênese em 2000, a geografia genética se apresenta com força nessa nova exposição através do eumuseu, que inclui a reprogramação do código rosana paste em um novo código chamado DoNA Rosana, uma das criações do coletivo. O eumuseu é a vida como um canteiro de obras prontas para serem reprogramadas como arte. DoNA Rosana é seu material e nela os códigos da geografia genética se cruzam e se fecundam. Em sua práxis, rosana não trabalha uma obra de arte, mas sim um projeto artístico que vai tomando forma, se multiplicando, assentando, somando e subtraindo, absorvendo a ação do tempo como um curador e escultor. Ela não é uma artista focada em volume. Seu foco é em processo.

Parte da idéia do coletivo foi criar, através de encontros regulares, uma espécie de ritual artístico em torno do eixo central que a artista representa no projeto. Esse processo teve sua apoteose no dia em que nos reunimos em torno do corpo da artista para uma performance usando placas de chumbo, um dos materiais recorrentes na produção de rosana, como material para ser manipulado em torno do seu corpo. O chumbo sintetiza poéticas que rosana vem pesquisando no campo sensorial, onde polaridades táteis são usadas em construções contrastantes. O evento registrado fotograficamente forneceu ao coletivo uma espécie de revigoramento e clareza de propósito e foi através deste momento que o livro concatenou. Ele funcionou como uma demonstração em laboratório da tese da geografia genética, que agora se expande para o espaço da galeria de onde continuará se multiplicando, ad infinitum.

Lobo Pasolini é jornalista, videoartista e escritor. É mestre em teoria de cinema pela University of Westminster, Londres.

Baixe o arquivo em PDF