Produzidos especialmente para o espaço da galeria Matias Brotas arte contempoânea, recentemente inaugurada, as esculturas de forma a pontuar tridimensionalmente a galeria e os desenhos responsáveis por rebater as formas no espaço, proporcionando um movimento contínuo da obra, os trabalhos apresentados na mostra OuroNegro, de Nuno Ramos, foram compostas por esculturas de vidro soprado, ferro e granito polido e desenhos em alumínio, espelho, acrílico, vaselina e cera, registrando uma perfeita sintonia entre os suportes, que combinaram recortes de linhas retas e curvas sinuosas.

O artista paulista expôs no evento inaugural da galeria, que veio possibilitar aos amantes das artes plásticas mais um espaço expressivo e singular no cenário capixaba. Sobre a sua obra, vale a pena registrar um trecho da apreciação feita a seu trabalho pelo respeitado critico de arte Tiago Mesquita: “Apesar de muitas esculturas terem nome de borboleta, sua aparência é antes de crisálida, o estado em que o bicho já deixou de ser lagarta e ainda não se tornou borboleta. Os formatos, quando reunidos, têm um aspecto híbrido, que não é uma coisa nem outra, mas algo no intervalo entre essas formas. Essa associação entre elementos distintos já estava presente nas pinturas e esculturas de Nuno Ramos.”

Texto Crítico por Tiago Mesquita.