2006

apropriacoes-ambiguidades-deslocamentos-expo-matias-brotas-2006-feat-ok
Permalink Gallery

Exposição “Apropriações, ambiguidades, deslocamentos…”
MIRO SOARES | LINCOLN GUIMARÃES DIAS | FERNANDO AUGUSTO | LARA FELIPE
de 30 de novembro de 2006 a 12 de janeiro de 2007

Exposição “Apropriações, ambiguidades, deslocamentos…”
MIRO SOARES | LINCOLN GUIMARÃES DIAS | FERNANDO AUGUSTO | LARA FELIPE
de 30 de novembro de 2006 a 12 de janeiro de 2007

, ,

Ao longo da primeira metade do século passado, vários movimentos artísticos contestaram os valores da tradição e decretaram a ruptura com o velho estatuto de obra de arte. As formas e as cores deixavam de se subordinar à aparência do mundo natural, para instituir-se como pensamento e linguagem autônoma, isto é, como construção estimulante e livre da experiência humana.
A variedade de faturas, suportes e linguagens expressivas que se desvelam no conjunto de objetos expostos na Matias Brotas Arte Contemporânea, reafirma essa liberdade concedida aos artistas de nosso tempo. Enquanto uns re-visitam a história da arte, para resgatar e atualizar determinadas gramáticas e processos pictóricos, outros deslocam imagens, personagens e idéias que vão buscar na literatura, no cinema, na filosofia, na psicanálise. Rearticulam ou recodificam tais empréstimos ou apropriações, em novos contextos, narrativas e associações de imagens, instaurando com eles ou a partir deles novos processos criativos e significativos.
As poéticas de Miro Soares e Lincoln Guimarães Dias, derivam do Expressionismo Abstrato. Embora adotem métodos e materiais diferenciados, ambos procuram estruturas formais espontâneas ou não premeditadas, que vão sendo ajustadas, ordenadas e transfiguradas, ao longo de um controlado processo de trabalho.
Miro Soares pinta sobre grandes suportes com café solúvel, matéria prima primordial a seu processo expressivo. O pigmento natural é lançado em gestos vigorosos sobre a tela esticada no solo, em camadas ralas e densas. O maior adensamento da matéria produz tons soturnos, potencializados por instigantes texturas e rugosidades. Nas áreas onde a matéria é menos espessa, surgem transparências e efeitos luminosos, que instigam a imaginação e desafiam o olhar configurador ou icônico do observador.
O processo pictórico de Lincoln Dias não dispensa os materiais tradicionais: tinta acrílica e pincéis de cabos longos. Recorrendo a gestos amplos […]

orlando-da-rosa-farya-e-maruzza-valdetaro-feat-ok
Permalink Gallery

Exposição Duo
ORLANDO DA ROSA FARYA & MARUZZA VALDETARO
de 24 de agosto a 07 de outubro de 2006

Exposição Duo
ORLANDO DA ROSA FARYA & MARUZZA VALDETARO
de 24 de agosto a 07 de outubro de 2006

,

Em uma única mostra, Orlando da Rosa Farya e Maruzza Valdetaro dividiram a Matias Brotas arte contemporânea, entre o salão principal e o espaço experimental da galeria.
No salão principal da imponente arquitetura da galeria, Orlando da Rosa Farya apresentou trabalhos recentes, sinalizando que o universo abordado por estes estabelece confluências entre culturas, pessoas e lugares. O artista, que participou da sua primeira exposição no Salão de Arte Universitário, em 1979, e nele ganhou o prêmio de pintura, ocupou o espaço da galeria com uma individual de fotografia intitulada “You are here”. Para ele, “a pintura é um exercício permanente para a fotografia”. O conjunto de obras apresentado remetia aos muros e paredes grafitados da cidade de Berlim, uma série com 8 imagens de grafites formando um grande painel (160 x 560cm), que recuperava a escala dos grafiteiros, trazendo impressa a forte herança do expressionismo alemão. Fizeram parte também da exposição, 20 pequenos retratos de rosto, sobre os quais o artista lançou vários olhares que tornaram reconhecíveis em suas identidades; fisionomias de croatas, tailandeses, finlandeses, africanos, franceses, portugueses e brasileiros, entre tantos outros, traduzindo a fusão das diferentes tradições culturais que se revela para a Alemanha uma poderosa fonte criativa. A obra que abria a mostra localizava esse encontro entre imagens, signos, intenções, o público e as nuances que compõem o complexo universo visual da cidade de Berlin. Os grafites, as colagens, as interferências variadas, fazendo parte das paredes, dos muros, dos postes e das vitrines, apresentaram uma grande exposição a céu aberto, anunciando que a pintura não se encontra só nas galerias e museus, mas cada vez mais invade a cidade e se incorpora à vida cotidiana não só do berlinense, mas de todos […]

nuno-ramos-ouronegro-expo-matias-brotas-2006-feat-ok
Permalink Gallery

Exposição “OuroNegro”
NUNO RAMOS
de 01 de junho a 15 de julho de 2006

Exposição “OuroNegro”
NUNO RAMOS
de 01 de junho a 15 de julho de 2006

,

Produzidos especialmente para o espaço da galeria Matias Brotas arte contempoânea, recentemente inaugurada, as esculturas de forma a pontuar tridimensionalmente a galeria e os desenhos responsáveis por rebater as formas no espaço, proporcionando um movimento contínuo da obra, os trabalhos apresentados na mostra OuroNegro, de Nuno Ramos, foram compostas por esculturas de vidro soprado, ferro e granito polido e desenhos em alumínio, espelho, acrílico, vaselina e cera, registrando uma perfeita sintonia entre os suportes, que combinaram recortes de linhas retas e curvas sinuosas.
O artista paulista expôs no evento inaugural da galeria, que veio possibilitar aos amantes das artes plásticas mais um espaço expressivo e singular no cenário capixaba. Sobre a sua obra, vale a pena registrar um trecho da apreciação feita a seu trabalho pelo respeitado critico de arte Tiago Mesquita: “Apesar de muitas esculturas terem nome de borboleta, sua aparência é antes de crisálida, o estado em que o bicho já deixou de ser lagarta e ainda não se tornou borboleta. Os formatos, quando reunidos, têm um aspecto híbrido, que não é uma coisa nem outra, mas algo no intervalo entre essas formas. Essa associação entre elementos distintos já estava presente nas pinturas e esculturas de Nuno Ramos.”
Texto Crítico por Tiago Mesquita.