2014

dialogo-geometrico-expo-matias-brotas-2014-feat-ok
Permalink Gallery

Exposição “Diálogo Geométrico”
LUIZ DOLINO | MANFREDO DE SOUZANETTO | CARLOS MUNIZ
de 06 de novembro a 13 de dezembro de 2014

Exposição “Diálogo Geométrico”
LUIZ DOLINO | MANFREDO DE SOUZANETTO | CARLOS MUNIZ
de 06 de novembro a 13 de dezembro de 2014

,

“Diálogo Geométrico” é a nova exposição da Galeria Matias Brotas arte contemporânea. A coletiva inédita em Vitória reúne obras de três grandes artistas brasileiros, o carioca Luiz Dolino e os mineiros Manfredo de Souzanetto e Carlos Muniz. Esta mesma exposição passou este ano por Viena, na Áustria, e agora desembarca em Vitória/ES.
Motivos não faltavam para a união dos três artistas em uma coletiva especial. As formas geométricas são características comuns e marcantes na trajetória artística do trio e essa mostra reúne algumas obras que dialogam entre si e em que o traço geométrico é o destaque da tela de cada artista.
A exposição contará com cerca de 20 obras. Os três artistas fazem parte da geração de pintores que adotaram a linguagem formal de inspiração construtivista. “As imagens que exploramos nesta mostra correspondem a um conjunto de ideias que tem suas raízes em dois polos: a tradição estética dos povos fundadores de nossa nacionalidade e a busca permanente de valores plásticos capazes de fixar a nossa identidade cultural, expressa numa linguagem com transito internacional”, explica o artista Dolino.
Sobre os artistas
Artista veterano, com uma trajetória artística de mais de 50 anos, o carioca Luiz Dolino já viajou o mundo com suas obras e já morou em países como México, Uruguai, Bolívia, Argentina, Costa do Marfim. A forma geométrica é a principal característica do seu trabalho. Suas obras já passaram por prestigiadas galerias e museus nos quatro cantos do mundo.
Dolino traz para a galeria uma revisão de algumas de suas obras ao longo de 50 anos de trabalho que traduzem o que de mais expressivo o artista conseguiu reunir da sua produção atual.
Manfredo de Souzanetto, radicado no Rio de Janeiro, estudou na Escola Guignard e Escola de […]

raphael-bianco-aquela-mata-expo-matias-brotas-2014-feat-ok
Permalink Gallery

Exposição “Aquela Mata”
RAPHAEL BIANCO
de 08 de agosto a 13 de setembro de 2014

Exposição “Aquela Mata”
RAPHAEL BIANCO
de 08 de agosto a 13 de setembro de 2014

,

“Aquela mata” é o título da nova exposição individual do artista capixaba Raphael Bianco, que será aberta nesta quinta, dia 7 de agosto, na Galeria Matias Brotas Arte Contemporânea. A mostra, terceira individual do artista na galeria, conta com curadoria do carioca Waldir Barreto, professor de teoria da arte da UFES. A exposição é composta por 14 pinturas (acrílica e óxido de ferro sobre tela), além de quatro desenhos em caneta sobre papel 60% algodão.
Trabalhando com telas em grandes dimensões (1m x 2.4m cada) cobertas por óxido de ferro, pigmento natural que altera de forma imprecisa o resultado final da paleta de cores escolhida, Raphael explora o tema da mata e sua essência misteriosa através de uma pintura que oscila entre o figurativo e a abstração, em uma pesquisa que investiga os limites do olhar e da memória.
Em sua exposição anterior, “entre linhas”, de 2011, o artista iniciara essa investigação debruçando-se sobre horizontes compostos por três elementos frequentemente explorados na pintura de paisagem:
O oceano, as nuvens e a mata.
Agora, o ponto de partida imediato para a presente exposição foi uma inversão de um horizonte tradicional onde a mata situa-se no plano inferior e as nuvens no plano superior.
Uma mata que se ergue acima das nuvens, acima da neblina.
A partir dessa abordagem, Raphael passa a explorar então as possibilidades e os desafios que habitam o interior dessa mata nebulosa, com toda a desorientação espacial e temporal que afetam aqueles que decidem nela entrar. As obras, nas palavras do curador Waldir Barreto: “Um estupor cheio de murmúrios e vapores, cujo rastro palpável de tinta e gesto vislumbra o intangível.” Além das telas, a exposição conta também com desenhos de cavernas em caneta em uma única tonalidade […]

rosana-paste-eu-museu-expo-matias-brotas-2014-feat-ok
Permalink Gallery

Exposição “EuMuseu”
ROSANA PASTE
de 09 de maio a 14 de junho de 2014

Exposição “EuMuseu”
ROSANA PASTE
de 09 de maio a 14 de junho de 2014

,

Depois de nove anos sem expor, a artista plástica capixaba Rosana Paste retorna com uma exposição individual chamada “eumuseu rosana paste”. A abertura da mostra será no próximo dia 8 de maio, às 19h30, na Galeria Matias Brotas. A artista também lança seu livro “eumuseu rosana paste”.
Referências recorrentes nos trabalhos da artista plástica Rosana Paste são esculturas em escala arquitetônica ou em forma de múltiplos, e agora num recorte de sua produção, evidencia o corpo como parte de seu projeto artístico. Na mostra “eumuseu rosana paste”, essas referências tornam-se ainda mais evidentes. A exposição reúne esculturas, fotografias, desenhos, plotagens, adesivos, com foco no desenvolvimento da proposição artística Geografia Genética, onde entra o corpo como obra, a história e a memória, que ela revela também através de fotos comparativas de três gerações de sua família: ela, Dona Jove (mãe), Daniel (filho).
“Em 2002 iniciei o projeto de Geografia Genética, que consiste em fotografar três gerações de uma mesma família sempre de amigos, ou seja, avô-pai-neto ou avó-mãe-neta. As fotos são das mesmas partes dos corpos onde a pele fica em evidência, uma mostragem da ação do tempo naquele espaço/corpo e naquele corpo/tempo. Naquele ano as fotos foram projetadas sobre uma escultura de pele de coelho e ferro. Considerei desde então, que o trabalho exposto estava iniciando, que o processo de pensar e construí-lo deveria ser aprofundado, multiplicado, transformado”, explica.
Na performance “artista de corpo presente”, Rosana como proponente convida Taiza Ammar, Lobo Pasolini e Jocimar Nalesso, o coletivo que desenvolveu o trabalho do livro: “Rosana nos esperava em casa como uma sacerdotisa pagã que prepara um ritual, um ritual onde o corpo da artista, peça central de sua obra, seria ofertado como material para ser manuseado, manipulado […]

renata-egreja-hoje-so-o-coracao-nao-basta-expo-matias-brotas-2014-feat-ok
Permalink Gallery

Exposição “Hoje só o coração não basta”
RENATA EGREJA
de 22 de novembro de 2013 a 25 de janeiro de 2014

Exposição “Hoje só o coração não basta”
RENATA EGREJA
de 22 de novembro de 2013 a 25 de janeiro de 2014

,

Renata Egreja traz a Vitória universo indiano em pinturas inéditas
Artista paulista traz telas e aquarelas a Vitória, de 22 de novembro a 25 de janeiro, em exposição inédita na galeria Matias Brotas, após residência artística na Índia
‘Hoje, só o coração não basta’ é o título da exposição que irá ocupar as paredes da galeria Matias Brotas, localizada na Mata da Praia,a partir de 22 de novembro.
O trabalho da jovem artista Renata Egreja, de apenas 28 anos, traz a Vitória telas cheias de cores e movimento que refletem a complexidade e as contradições vividas na Índia, onde nem sempre apenas o coração basta para absorver tantas emoções e sensações, como define a própria artista. A mostra é resultado de um processo criativo recente e posterior a seu período de residência artística na cidade de Nova Delhi.
Imersa em um contexto cultural e social diferente do brasileiro, Renata destaca que os dois meses vividos na capital indiana se refletem em telas onde a composição ora é mais calma e organizada ora frenética e cheia de cores vibrantes. A artista reflete sobre a vida no ateliê, onde, na rotina do cotidiano, há momentos intensos que chegam trazendo gestos firmes e cores fortes. Em outros dias, já mais calmos, as pinceladas escorrem e as cores vibram suaves.
“A vida no subcontinente é repleta dessas contradições. As ruas de Nova Delhi são incompreensíveis, são belas e feias, convidativas e repelentes ao mesmo tempo. Viver num pais como a Índia é experimentar sensações muito diferentes num mesmo dia. O título dessa exposição faz referencia ao estado de alma que o corpo chega diante de tanta complexidade. Na Índia e em outros lugares, tem dias onde ‘só o coração não basta’ para entender […]