2015

Blue: a Terra é azul, com obras de Suzana Queiroga e Mai-Britt Wolthers, encerra o calendário de exposições 2015 da Matias Brotas Arte Contemporânea.
Permalink Gallery

Exposição “Blue: a Terra é azul”
SUZANA QUEIROGA e MAI-BRITT WOLTHERS
de 19 de novembro de 2015 a 16 de janeiro de 2016

Exposição “Blue: a Terra é azul”
SUZANA QUEIROGA e MAI-BRITT WOLTHERS
de 19 de novembro de 2015 a 16 de janeiro de 2016

,

‘Blue: a Terra é azul’, com obras de Suzana Queiroga e Mai-Britt Wolthers, encerra o calendário de exposições 2015 da Matias Brotas Arte Contemporânea.
Curadoria: Marcus Lontra
A Matias Brotas Arte Contemporânea segue com sua programação de 2015 com a exposição ‘Blue: a Terra é azul’, que reúne pinturas de Suzana queiroga, artista chave da Geração 80 brasileira, e Mai-Britt Wolthers, pintora dinamarquesa baseada no Brasil desde 1986.  A obra de duas pintoras apresentadas lado a lado reiteram a função da pintura como força atemporal na história da arte, unindo eras e escolas de artistas que trabalham não apenas com pintura mas que também se enveredam por outras mídias. Juntas, as obras de Queiroga e Wolthers nos levam a uma (re) descoberta das possibilidades da tela e a janelas conceituais e estéticas, com suas âncoras no passado e antenas no presente. A pintura sempre foi, é, e sempre será.
Blue
A exposição traz obras inéditas das artistas dentro de um mesmo espaço, porém ambas tratam de maneiras distintas em suas pinturas, escultura e até em vídeo, sobre a temática da natureza, da paisagem. As artistas revelam a paisagem através do espectro azul, seja na cor da pincelada ou no sentido subjetivo do planeta terra azul e seus fenômenos naturais, suas observações, seu cotidiano.
Nas palavras do curador Marcus Lontra, através da mostra é possível ver uma variedade dos caminhos que a paisagem ainda hoje alimenta para a ação artística e permite ver uma ponte entre a tradição e o novo. “Nas paisagens de Mai-Britt há uma inerente tensão entre a forma e a matéria, entre o estado líquido e sólido da matéria, entre o efêmero e o permanente. Por isso a sua pintura é estranhamente bela e faz com que as […]

Exposição "O peso exato dessa leveza" | Lara Felipe | Matias Brotas
Permalink Gallery

Exposição “O peso exato dessa leveza”
LARA FELIPE
de 18 de junho a 01 de agosto de 2015

Exposição “O peso exato dessa leveza”
LARA FELIPE
de 18 de junho a 01 de agosto de 2015

,

Radicada nos EUA, a artista capixaba Lara Felipe retorna a Vitória e abre exposição individual na Matias Brotas.
A mostra “O peso exato dessa leveza”, com curadoria de Neusa Mendes, será aberta na quinta, dia 18 de junho. Na ocasião, também será lançado o catálogo da exposição. Veja aqui.
A Matias Brotas Arte Contemporânea abre no próximo dia 18 de junho a individual “O peso exato dessa leveza” da artista capixaba Lara Felipe, que marca a comemoração do aniversário de 9 anos da galeria. A artista, que nasceu em Alegre e atualmente mora no Estado do Arizona, nos Estados Unidos, estará na abertura e fará uma pequena apresentação do seu trabalho, além de lançar e autografar o catálogo da exposição. A individual tem curadoria de Neusa Mendes, um dos nomes mais renomados das artes plásticas, visuais e da cultura do Estado.
Com uma incrível ousadia criativa, Lara associa e recodifica objetos de diferentes naturezas alcançando em suas obras um universo poético singular.  Através do uso de diversos materiais, a artista abordou nesta mostra o tema melancolia, afetos, memórias, buscando em outras referências artísticas e na literatura sua inspiração.

Lara Felipe
Já participou de exposições de arte e design no Brasil e na América Latina, e já recebeu prêmios como designer e artista plástica, sendo mais importante o Prêmio Phillips de Arte para Jovens Talentos no Brasil e América Latina. Sua mais recente exposição no Estado, em janeiro deste ano, foi a coletiva no Centro Cultural SESC Glória, intitulada ‘Corpo–Casa’. A artista capixaba possui obras no acervo da Galeria da UFES e já participou de coletivas em outros estados com artistas renomados como José Bechara, Manfredo de Souzanetto, Amilcar de Castro, entre outros.
Segundo a galerista Lara Brotas, a nova exposição da artista pede silêncio e convida para […]

Diálogo da Diversidade | Exposição | Matias Brotas arte contemporânea
Permalink Gallery

Exposição “Diálogo da Diversidade”
COLETIVA
de 30 de abril a 30 de maio de 2015

Exposição “Diálogo da Diversidade”
COLETIVA
de 30 de abril a 30 de maio de 2015

,

Artistas:
AMILCAR DE CASTRO | CARLOS MUNIZ | JOSÉ BECHARA | JÚLIO TIGRE | LARA FELIPE | LUIZ DOLINO | MANFREDO SOUZANETTO | PAULO VIVACQUA | RAPHAEL BIANCO | RENAN CEPEDA | RENATA EGREJA | ROSA OLIVEIRA | SHIRLEY PAES LEME | SUZANA QUEIROGA | VILAR

Curadoria Fernando Pessoa
A proposta da exposição foi ver as obras não como compartimentos fechados em si mesmos, autônomos e independentes, mas perceber possíveis relações entre elas, algo que permita uma continuidade do olhar, um diálogo visual, onde as imagens se articulam, uma evidenciando elementos da outra, na diversidade de suas propostas. Foi a partir do propósito de compor a exposição como uma obra de arte, através de um diálogo entre as suas imagens, que as obras apresentadas foram selecionadas e organizadas. Nesse sentido, a exposição convida o visitante a olhar cada obra não apenas de maneira isolada, mas buscar ver as semelhanças que as reúnem em suas diferenças. Um convite para ampliar o campo de visão, a fim de perceber, no conjunto das obras, na eloquência de seu diálogo, a identidade originária da própria arte.
Logo na entrada da Galeria, podemos perceber o diálogo da diversidade proposto pela exposição: a fotografia de Renan Cepeda com a pintura de Júlio Tigre e a gravura de Amilcar de Castro: três suportes, estilos, técnicas, propostas, conceitos completamente diferentes, em uma conversa sobre casas, a fim de criar uma atmosfera de lar e saudar os visitantes com boas vindas: Entrem, aqui também moram os deuses.
A fotografia “casa Roxa”, da série “night paintings”, de Renan Cepeda, uma casa noturna, com cores violáceas e luminosas, cercada de silêncio e mistério, colocada ao lado da pintura da série “quimica” de Júlio Tigre, faz aparecer, na abstração da pintura, […]