Rosana Paste abre no dia 09 de outubro a individual ‘entre camadas’ na Emparede Contemporânea, em Santo Antônio Vitória. A exposição faz parte do Projeto “Entre Eu, Tu e Elas” – contemplado pela EMPAREDE Contemporânea no Edital 016/2016 da SECULT-ES.

O Projeto “Entre Eu, Tu e Elas”, com curadoria de Yvana Beichior, realizado exclusivamente por mulheres (06 artistas: Mara Perpétua, Rosana Paste, Kika, Cida Ramaldes, Natalie Mirêdia e Eliana Kuster), em valorização do potencial feminino, propõe a reflexão, o diálogo e a experiência estética, através de variadas linguagens artísticas.

Confira texto na íntegra da artista Rosana Paste sobre sua individual:
o tempo perguntou pro  tempo quanto tempo o tempo tem. o tempo respondeu pro tempo, que o tempo tem tanto tempo,  que o tempo não sabe quanto tempo o tempo tem. parlendei enquanto criança e continuo panlendando. o tempo vem se constituindo como matéria prima dos meus trabalhos a alguns anos, e talvez tenha sido desde 1987 o mote do que faço. como sou artista visual, muitas relações entre imagem e texto acontecem com o passar do tempo…
tive a sorte grande de aprofundar em alguns conceitos filosóficos de Deleuze e Guattari com meu mestre Cesar Cola no doutoramento recém concluído. e eis que a parlenda do tempo é verdadeira: para esses filósofos o tempo não é linear, mas camadas que se sobrepõem e dessa forma vivemos num plano de imanência, onde os acontecimentos vividos são presente e passado ao mesmo tempo. meu eu criança está em mim e  atualizo a cada momento que vivo, por ex. eu sou camadas de tempos que hoje tem 50 anos. O tempo aqui não é de Cronos e sim de Aion que segundo  Deleuze e Guatarri (2011, p. 50, 51)
 
Mesmo quando os tempos são abstratamente iguais, a individuação de uma vida não é a mesma que a individuação do sujeito que a leva ou a suporta. […] E não é o mesmo tempo, a mesma temporalidade. Aion, que é o tempo indefinido do acontecimento, a linha flutuante que só conhece velocidade e ao mesmo tempo não para de dividir o que acontece num já-aí e um ainda-não-aí, um tarde-demais e um cedo-demais simultâneos, um algo que ao mesmo tempo vai passar e acabar de passar. E Cronos , ao contrário, o tempo da medida, que fixa as coisas e as pessoas, desenvolve uma forma e determina um sujeito.
para além da filosofia não podemos esquecer que a criação do objeto de arte lida com a ausência de linearidade e simultaneidade do processo tornado o tempo mais mole, flexível, transversal, atravessando assim a existência da vida. “entre camadas” surge daí, desse tempo atualizado de objetos que me acompanham desde o início de minha produção re-configurados  agora como esculturas. tosas de carneiro de 1990, a primeira escultura feita com crochê de fio de cobre de 1987, trouxinhas de chumbo de 2017, vestido de crochê de cobre que usei na primeira individual em 1992 acompanhados de bolsinhas de crochê de cobre de 2017… entre camadas de tempo e de materialidades vou seguindo no  tempo de um tempo que não se sabe quanto tempo o tempo tem!
rosana paste
primavera 2017

Rosana Paste | entre camadas | Emparede Contemporânea | Santo Antônio – Vitória | 09.10.17 a 10.12.17 | Matias Brotas